Artigos

FUTSAL - TRANSMISSÕES TELEVISIVAS E ALGUMAS PREMISSAS A COMPREENSÃO DO JOGO

PROF. ANTONIO SCHIMITZ FILHO
Publicado em 12 de novembro de 2008

FUTSAL: TRANSMISSÕES TELEVISIVAS E ALGUMAS PREMISSAS À COMPREENSÃO DO JOGO



ANTONIO GUILHERME SCHMITZ FILHO



SANTA MARIA

2008

Por

ANTONIO GUILHERME SCHMITZ FILHO



Trabalho dissertativo apresentado ao curso On-Line sobre Metodologia do Treinamento do Futsal, desenvolvido pelo Profº Fernando Ferretti, como requisito parcial à obtenção do certificado de conclusão.



Santa Maria, 2008



SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO

2.JUSTIFICATIVA

3. CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA

4 UMA PROPOSTA DE DISCUSSÃO PARA O FUTSAL MIDIATIZADO

6.CONSIDERAÇÕESPRELIMINARES

7.REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICAS



1. INTRODUÇÃO



O espaço reservado ao jornalismo esportivo nos meios de comunicação atingiu proporções que o remeteram a destaque e a fonte de “badalação” para as mais variadas formas de fazer jornalismo. A especialidade – jornalismo esportivo – não pode mais ser considerada como mero complemento ou parte de menor importância de um determinado sistema, pelo contrário, os mídias de uma maneira geral procuram agregar cada vez mais grupos especializados e renomados para o gerenciamento das diversas tarefas. Neste sentido, muitas maneiras de vincular os cenários esportivos na mídia proliferaram com uma velocidade sem tamanho. Nesse movimento ‘frenético’, os meios de comunicação ao apoiarem-se na rapidez em apresentar novas ‘formatações’ para o esporte e superar a concorrência através da audiência, acabam exagerando em alguns procedimentos jornalísticos atingindo questões importantes relacionadas ao esporte ou ao contexto esportivo.

Com a exposição acentuada que as crianças de uma maneira geral vêm sofrendo, principalmente frente a televisores, cabe refletir sobre as condições que o esporte passa a ter em relação à atuação dos mídias. Professores e alunos encontram-se frente a uma nova forma de vivenciar o esporte. Para alguns o esporte é visto como negócio e deve sustentar este novo patamar. Para outros o esporte é apenas a ‘magia’ de uma modalidade (o futsal). Para poucos o esporte é tratado com um pouco mais de zelo. Neste movimento, caminha o esporte, para um destino traçado pelo consumo próprio do mercado midiático que o revitaliza diariamente. Além do mais a ‘fragmentação’ da informação característica da linguagem televisiva reduz ainda mais a compreensão do conceito de esporte que se pretende desenvolver em diferentes níveis de ensino.





2. JUSTIFICATIVA



Os eventos esportivos constituem uma grade de acontecimentos no qual a idiossincrasia jornalística surge com nitidez. Por um lado, o jornalismo reúne condições de ser percebido como um sistema único e autônomo, por outro se vincula como subsistema das mídias. Esse comportamento misto, no entanto, não tira do jornalismo sua condição de formar o núcleo nobre do sistema midiático. Com grande força social, principalmente, pela sua ação reguladora na construção dos acontecimentos e na sua transformação em notícias e também pelo poder de agendamento que institui.

O futsal midiatizado durante a realização da Copa do Mundo de 2008 no Brasil, nas cidades de Brasília e do Rio de Janeiro, refletiu à sociedade uma gama de valores e atributos. A interpretação do jogo, bem como a sustentação midiática do seu entendimento, na maioria dos casos orientou-se naquilo que foi apontado como ideal. O problema que acaba se transferindo para o ensino esportivo encontra-se justamente na tentativa jornalística de unificar ou apontar o ideal. No exemplo do futsal, as apreciações, tanto as críticas como as análises midiáticas, apresentaram uma série de inferências sob conteúdos esportivos: ataque, defesa, técnica, tática, treinamento, entre outros.

Uma das causas de deformação do conhecimento centra-se exatamente na fragmentação e na descontinuidade produzidas aleatoriamente e constantemente nas diferentes sociedades, através da polissemia das palavras, dos acontecimentos e dos fatos criados. Com o sentido dado ao esporte midiatizado, principalmente em grandes eventos esportivos, não é diferente. Em virtude dos inúmeros acordos discursivos e das infindáveis tematizações em relevo, a ideologia esportiva sofre uma série de modelações que na maioria dos casos se distancia dos interesses e de uma justificativa plausível á sua utilização educacional.

Objetiva-se com a apresentação de algumas premissas relacionadas com os conceitos de técnica, tática, ataque, defesa e ensino esportivo (didática), conhecer melhor a realidade da exposição dos conceitos ligados ao Futsal e utilizados pelos diferentes mídias, sob o ponto de vista das diversas estratégias apresentadas, bem sugerir uma proposta de aplicação para a prática do futsal em diferentes níveis de ensino através de estratégias de intervenção amparadas nas análises realizadas.



3. CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA



É de fundamental importância salientar que as argumentações utilizadas para a elaboração desta proposta, em sua maioria, foram extraídas da dissertação de mestrado em Comunicação e Cultura ECO/UFRJ . Durante a revisão dos apontamentos e a partir do levantamento dos aspectos que fundamentaram as críticas analisadas no estudo, foi possível destacar o seguinte:

- As notícias e os comentários eram apresentados com ênfase sensacionalista.

- Existiu uma forte utilização de ‘falação e fabulação esportiva’ .

- Os comentários e análises vinham carregados de emotividade.

- A disponibilidade de tempo limitava a compreensão do que era vinculado.

- Tradição e dogma estiveram presentes na maioria das análises.

- O regionalismo fez parte das avaliações de desempenho dos jogadores.

- A intervenção jornalística era enfática em relação às condutas do técnico (pretendiam unanimidade).

- Devido à fragmentação dos comentários existiu uma dificuldade de reconstituição e fundamentação das críticas.

- A crítica tinha como referência o resultado consumado dos acontecimentos.

- Existia a dificuldade de se estabelecer uma diferenciação entre o erro e o mérito.

- Princípios e questões éticas do jornalismo foram insuficientemente observados.

O estudo apontou para uma superficialidade na apresentação das críticas, bem como caracterizou uma forma absoluta para o entendimento de tática desportiva, o que possibilitou a indicação de alteração dos fatos apresentados. Houve também a indicação de um único caminho para a solução de problemas de ordem tática – a unanimidade – o que na prática não é possível. A maioria das críticas se desenvolveram e foram apresentadas de forma abrangente, polarizada e generalizada, não encontrando subsídios na teoria de tática. Nos casos mencionados no estudo, o fazer jornalístico, deixou-se envolver sensivelmente pelos fatos, e pareceu desconhecer a teoria de tática, bem como elementos preponderantes do seu histórico.

Os levantamentos acima descritos são suficientes para caracterizar e determinar uma análise que permita um avanço no sentido de se verificar possíveis estratégias de intervenção à influência das mídias na prática do ensino esportivo e intenciona-se verificar se o mesmo ocorreu por ocasião da Copa do Mundo de Futsal no Brasil em 2008.

Além do mais, o futsal passou a integrar o universo de ensino de várias escolas. Questões sobre metodologia de ensino, ou ensino-aprendizagem, estão presentes neste cotidiano. A busca de uma efetividade para os métodos de ensino, mesmo não sendo o ponto principal de enfoque tornou-se alvo de ordenação dos conteúdos esportivos e não pode ser ignorada ou colocada à margem.

Vários artigos e livros técnicos apresentam sugestões, “seqüências pedagógicas corretas”, que apontam ou prometem um sucesso para a aprendizagem e passam a garantir se cumpridas, um brilhante futuro esportivo. Tais obras trazem inerentes, de uma forma consciente ou inconsciente, posições pedagógicas. A questão maior é a que tipo de concepção elas estão associadas. E que compreensão do processo ensino-aprendizagem elas contém.

Os aspectos listados não podem se apresentar dissociados de uma proposta que visa o desenvolvimento esportivo. Neste sentido, uma tentativa de integração destes fatores seria possível de ser abordada em uma ação conjunta. Desta forma, justifica-se a relação do processo de ensino-aprendizagem com estratégias de intervenção à influência das mídias.

Para tanto cabe sugerir as seguintes premissas de investigação:

1º) Diagnóstico de como são apresentados os conceitos relacionados ao futsal nos mídias e os problemas de ordem teórico-esportiva que podem ser constatados.

3º) Quais os aspectos necessários a serem observados à legitimação de uma abordagem esportiva que facilite a utilização de estratégias de intervenção à influência gerada nos mídias.

4º) Como se apresentaria uma sugestão para o ensino do futsal em diferentes níveis.



4. UMA PROPOSTA DE DISCUSSÃO PARA O FUTSAL MIDIATIZADO



Como o desenvolvimento de uma metodologia carece de um refino dos aspectos necessários ao seu incremento, o item relativo às estratégias de aplicação, será apresentado como proposta. Neste caso, apresenta-se a seguinte sugestão como ponto inicial para a abordagem integrada de problemas acerca da compreensão do jogo de futsal:

Problema Um: Verificação e análise das estratégias utilizadas pelos meios de comunicação para a vinculação das temáticas esportivas relacionadas com o ataque no futsal.

Problema Dois: Verificação e análise das estratégias utilizadas pelos meios de comunicação para a vinculação das temáticas esportivas relacionadas com a defesa no futsal.

Problema Três: Verificação e análise das estratégias utilizadas pelos meios de comunicação para a vinculação das temáticas esportivas relacionadas com o conceito de técnica para o futsal.

Problema Quatro: Verificação e análise das estratégias utilizadas pelos meios de comunicação para a vinculação das temáticas esportivas relacionadas com o conceito de tática para o futsal.

Problema Cinco: Verificação e análise das estratégias utilizadas pelos meios de comunicação para a vinculação das temáticas esportivas relacionadas com uma noção de didática para o ensino futsal.

* Considerando-se para os problemas acima os assuntos que deverão permanecer na aplicação das análises e aqueles que deverão ficar fora a partir do desenvolvimento da proposta.



5. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES



A compreensão do jogo desvinculada de uma fragmentação jornalística que na maioria dos casos produz um sentido único é um fator importante de orientação para as metodologias de ensino-aprendizagem. Para tanto, deve-se partir do pressuposto que se faz necessário discutir as condições para que seja possível entender as ocorrências relacionadas ao futsal da forma mais abrangente possível. Tal fato colaboraria na formação de condições para a constituição de uma auto-referência sobre a evolução e as peculiaridades do jogo.

Neste caso, criar condições para que isso venha a acontecer não é tarefa simples. Hoje, o avanço tecnológico e a ‘formatação’ no trato com a informação torna difícil uma compreensão mais apurada do processo.

Cabe, portanto, a iniciativa em se desenvolver ações em conjunto para desvincular o esporte da influência midiática exercida via entretenimento. Uma estratégia que dê conta de assinalar e indicar as diferentes formas de produção do jornalismo esportivo colaboraria para um entendimento mais aguçado deste processo por parte dos envolvidos. O que determinaria uma nova maneira de ver o esporte que é tratado midiaticamente/cenários, auxiliando os interessados no desenvolvimento de novas práticas. Um passo importante para o desenvolvimento de uma ‘cultura esportiva’.



5.1 Considerações para as Apreciações e Análises sobre o Ataque e a Defesa no Futsal

O ataque tem início a partir do momento em que a equipe fica com a posse de bola e realiza a marcação de um gol, perde a posse da bola, ou finaliza um chute para fora. Falcão, ala da Seleção Brasileira e melhor jogador de Futsal do Mundo na atualidade, é o atleta que fica mais em evidência na mídia brasileira e mundial por estar sempre criando alguma manobra de ataque que ludibrie os adversários com seus dribles.

Outro quesito que sustenta a noção de ataque diz respeito à concepção de sistemas. Os tipos de sistema de ataque – 2:2, 3:1, 1:2:1, 2:1:1, 3:2, 4:0, 1:3 – caracterizam variações que podem ser utilizadas de acordo com a proposta de jogo que o treinador pretende utilizar. Um componente muito importante do ataque agregado à organização dada pela forma do sistema idealizado é o contra – ataque.

A relação entre atacar e defender deve ser muito sincronizada e com alto nível organizativo. Com a retomada da posse de bola por ações defensivas cria-se ótimo elemento surpresa, que inverte rapidamente a condição de defensor para a de atacante. A equipe que perde a posse de bola precisa se reorganizar eficientemente suas ações. O futsal é um jogo que alterna estas funções entre as equipes com muita velocidade. O nível de compreensão aumenta na proporção em que as funções são constantemente trocadas entre atacar e defender.

O contra – ataque terá as maiores chances de sucesso se os atacantes agirem com rapidez e inteligência nas suas movimentações com e sem a posse de bola e otimizarem o elemento surpresa. Isso caracteriza que ações de marcação ou de defesa são aspectos preponderantes para um excelente o contra – ataque.

No futsal atual, as equipes precisam ter uma estruturação para organizar-se a partir do momento da perda da posse de bola. Neste sentido, a solicitação de um jogo eminentemente ofensivo é restringida pela impossibilidade de dispor mais jogadores no ataque sem considerar o equilíbrio defensivo, visto que um contra – ataque poderia ser fatal para o resultado do jogo (qualificação da profundidade e amplitude utilizadas).

Portanto, o ataque tem suas peculiaridades específicas e uma relação direta com o contra-ataque e o equilíbrio defensivo. A compreensão desses conceitos de jogo pelos meios de comunicação é de suma importância para uma avaliação e análise de uma partida de Futsal, bem como na condução e criação de conteúdos esportivos (ensino). Porém, muitas vezes, os meios de comunicação deixam muitas lacunas nas informações e entendimento de jogo.



5.2 Considerações para as Apreciações e Análises da Técnica e da Tática no Futsal



A forma como os conteúdos esportivos são apresentados pela mídia facilita de certa maneira a formação de um sentido para o ensinar e aprender esportes. A organização de conteúdos jornalísticos ocorre voltada ao funcionamento daquilo que o sistema jornalístico e o sistema esportivo apontam como modelo.

Neste sentido, várias atividades são reconhecidas fora de um entendimento daquilo que se refere ao ambiente relacionado com a atividade esportiva em apreço, não se percebe evidências de como os aspectos constitutivos do mesmo estariam colaborando para a aprendizagem. Algumas ordenações primam pelo sensacionalismo, retira-se o necessário entendimento e funcionamento à aprendizagem de sua funcionalidade situacional.

A utilização de exemplos deste tipo, que primam pelo aspecto sensacional dificultam o entendimento do elemento adicionado a proposta e como tal elemento integra o jogo propriamente dito. Decorre que, em termos de planejamento e compreensão do gesto técnico as ordenações estabelecidas acabam perdendo valor para o processo de ensino-aprendizagem.

A orientação na centralidade dos conteúdos desenvolvidos em aula, a centralidade do professor adotada como norma no encaminhamento das aulas de esportes, considerando as circunstâncias de ensino de uma técnica, reduz o processo de ensino a uma mera cópia e transmissão de dados e procedimentos. Neste quesito os estereótipos midiáticos sensacionalistas tornaram-se grandes reforços para uma padronização desfocada dos gestos esportivos (da técnica), porém deve-se considerar a abrangência que possuem em virtude dos apelos míticos.

Tal comportamento pode auxiliar no incremento de conteúdos esportivos – da técnica. O esforço em (re) posicionar crianças, atletas, dirigentes, entre outros neste processo implica em considerações acerca da interferência midiática no processo de compreensão do jogo.

Para SCHMITZ (1999), alguns aspectos tornam-se comuns às críticas e comentários esportivos. Várias análises críticas realizadas na oportunidade trouxeram implícita uma idealização para a tática.

Uma das características apontadas diz respeito à unanimidade, situação em que a opinião do jornalista foi oferecida como a única alternativa tática correta. Atualmente tal comportamento pode ser reconhecido na transmissão de partidas de futebol, na organização de notícias radiofônicas ou na elaboração de colunas em jornais com facilidade e conformidade aos interesses postos.

Nestes casos o técnico é o alvo das apreciações e críticas, bem como as suas supostas articulações e opções táticas. Na dependência da apreciação alguns jogadores tornaram-se representativos ou simbolizam as preferências táticas do treinador. Tal fato é problemático visto que acaba isolando o desenvolvimento estratégico em detrimento de uma suposta relação de preferência atribuída aleatoriamente. O que na maioria das vezes é determinante na construção de uma idealização tática.



5.4 Considerações para as Apreciações e Análises de uma Didática para o Ensino do Futsal

Para o desenvolvimento do esporte enquanto conteúdo educacional faz-se necessário uma revisão apurada das reais possibilidades de constituição e aplicação destes conteúdos. Da forma como são organizados e da maneira como são disponibilizados como elementos de ensino. As condições sistêmicas e as diversas ingerências que atuam diretamente na elaboração e na condução dos conteúdos são integrantes de uma formatação cultural. Em muitas oportunidades, tal formatação encontra-se atrelada a interesses específicos. O que por vezes facilita e por vezes dificulta o processo de ensino-aprendizagem.



Tal premissa é reforçada através dos Manuais Técnicos ou dos Livros Didáticos esportivos utilizados na maioria das escolas de Educação Física. Geralmente eles trazem uma idéia implícita de separação para os conceitos que são preciosos para o contexto do ensino esportivo: técnica, tática, ataque, defesa, treinamento, entre outros. Isso é passível de verificação a partir dos índices e dos sumários destes manuais, ali os conceitos figuram como elementos distintos.



Para uma relativização inicial da discussão de didática os manuais fornecem boas pistas na forma como os conteúdos são apresentados e dispostos. Sua apresentação, mesmo que para efeito de organização textual ocorre de forma desconexa, como se os conceitos existissem separados. O sentido produzido via sumário é transposto e fundamenta-se na apresentação dos conceitos propriamente ditos, bem como de possíveis tentativas de relação.



Um dos fatores básico da concepção didática e que dificulta a aprendizagem dos Jogos e Esportes se institui, portanto via manuais, na sua origem. Durante a formação acadêmica os manuais alimentam toda uma visão desconexa para os conceitos esportivos e conseqüentemente essa visão passa a ser incorporada no ensino (nos procedimentos adotados). O mesmo se verifica por ocasião das apreciações e análises realizadas a partir do jornalismo esportivo, elas seguem a mesma prescrição e reforçam o sentido de separação atribuído na origem.



Em algumas apreciações do desempenho esportivo, em se tratando fundamentalmente de seleção brasileira de futebol, a impressão que fica é a de que não é necessário jogadores de defesa ou representativos do setor defensivo. As ações ofensivas são de tal forma potencializada que o sentido real da relação entre partes – ataque e defesa – fica a margem do processo de observação e análise do jogo. Elemento fundamental para a própria leitura e juízo de valor necessário a autonomia e compreensão dos fatores intervenientes no jogo.









REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



BERGER, L. Berger; LUCKMANN, Thomas. A Construção Social da Realidade. Petrópolis/RJ: Vozes, 2002.



CASTRO, Ruy. ESTRELA SOLITÁRIA: UM BRASILEIRO CHAMADO GARRINCHA. São Paulo: 2001



DE SOUZA, Magne Odilene Costa. CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS SOBRE INTERVENÇÃO E PROBLEMAS DA ESCOLA: UM ESTUDO DE CASO. Santa Maria-RS: UFSM/PPGCMH, 2000. Dissertação de Mestrado.



FERRETTI, Fernando. METODOLOGIA DO TEINAMENTO DO FUTSAL. Coleção de Slides/Power Point, integrante do Curso On-Line, 2008



MACHADO, Arlindo. A Televisão Levada a Sério. São Paulo: Editora SENAC, 2000.



MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios as mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001.



SCHIMITZ FILHO, Antonio Guilherme. JORNALISMO ESPORTIVO NA COPA DE 1998: Uma tentativa de análise crítica das críticas. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, 1999. Dissertação de Mestrado.



SILVERSTONE, Roger. Televisión y vida cotidiana. Buenos Aires: Amorrortu editores, 1994.

 


  Artigos  |  Curso Presencial  | Cursos OnLine  | Estágios para Treinadores  | Consultoria em Futsal  | Shop Futsal | Contato  |  

 
  Copyright 2015 Project Multimidia. Todos os direitos reservados.